A esperança segue firme

Em todo o país, já ultrapassamos mais de 10 mil vítimas da Covid-19. Um dos inimigos mais letais da história recente da nossa República, que só no nosso Amazonas já causou a dor da partida para mais de 1 mil famílias, em menos de dois meses. O cenário não é nada confortável com esses números. É muito triste viver hoje essa realidade. No entanto, não percamos a fé.

Em uma hora como essa é necessário agir. Quem puder fica em casa – o que já é uma grande colaboração do bem contra o avanço da contaminação e das mortes. Agora, quem tiver condições de trabalhar contra, que trabalhe protegido na fé e com os equipamentos devidos.

Num parque industrial como o de Manaus, algumas dezenas de indústrias adaptaram as suas linhas de produção para produzir Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), com a finalidade de ajudar os profissionais da saúde que estão na linha de frente dessa guerra, bem como profissionais de outras áreas essenciais.

A Transire Eletrônicos e o Instituto Transire, por exemplo, entraram nessa luta e hoje, além de ajudar com equipamentos para o hospital de campanha Municipal, já vem atuando em outras frentes, como a de produção contra a pandemia, e também de solidariedade a grupos que enfrentam os efeitos negativos do novo coronavírus.

Com a liberação da Justiça, a Transire passou a usar parte dos seus recursos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) para desenvolver e produzir equipamentos para o enfrentamento à pandemia. Depois do convite do hospital Samel, o instituto ajudou no desenvolvimento da Cápsula Vanessa – que diminui a necessidade de intubação precoce de pacientes de Covid-19 e diminui os riscos de contaminação dos profissionais de saúde.

Agora, a empresa trabalha para entregar, a título de doação, mais de 2 mil unidade da cápsula para outras unidades de saúde pública municipal e estadual. A Transire, do empresário Gilberto Novaes, que já doou EPIs aos profissionais da saúde, bombeiros civis, também vem desenvolvendo protótipo de respiradores, fundamental para o tratamento contra a doença, e também já começou a entregar álcool em gel com andiróba – matéria prima regional -, que garante por mais tempo a efetividade dos efeitos do álcool 70 e mais hidratação às mãos.

Com o bom uso dos recursos de P&D, a empresa também está desenvolvendo outras tecnologias da área de saúde, que mais tarde serão levadas ao conhecimento da sociedade. Um legado importe diante de tudo que vivemos hoje com essa pandemia. Atitude que reanima a esperança nessa luta pela vida. Portanto, é assim, se cada um fizer a sua parte, tudo isso vai passar e o novo comum na pós-pandemia ficará mais próximo. Eu acredito.

Deixe uma resposta